A bioética frente às fronteiras contemporâneas. Um diálogo propositivo com a consciência crítica.

André Luiz Boccato de Almeida

Resumo


O presente artigo se propõe a analisar a bioética, desafiada pelas novas fronteiras contemporâneas reflexivas, a genética, as neurociências e o pluralismo antropológico, e, a urgência de explicitar os seus fundamentos a partir de uma antropologia integral que encontra na consciência o núcleo das decisões humanas diante das novas possibilidades trazidas pela emergência do contexto tecnológico. Percebe-se que ao ser humano atual impactam novos desafios complexos e abrangentes, com poucas respostas imediatas no que tange ao melhor modo de conduzir sua própria existência; contudo, também há a possibilidade de melhor se compreender mediante uma busca em sua própria consciência e na relação com os outros ao seu redor. Deseja-se, portanto, situar as novas fronteiras contemporâneas, com suas demandas ao sujeito ético, a partir de uma necessária formação da própria referência onde a pessoa é chamada a se escutar, se conhecer e encontrar um sentido verdadeiramente humano.


Texto completo:

PDF

Referências


BAUMGARTNER C., «Etica teologica senza teologia? Valutazione di una riflessione etico-teologica sulle sfide morali del pluralismo in merito al loro rapporto con la teologia». In: Concilium 42/2 (2006) p. 72-73.

BENINI, Arnaldo. Le neuroscienze e il significato della vita. Milano: Garzanti, 2012.

CARLOTTI P. (edd.). Teologia morale e scienze empiriche, Ateneo Salesiano, Roma 2012.

CASA, D.; TALONE, C. “Genética”. In: LEONE, S.; PRIVITERA, S.; CUNHA, J.T. Dicionário de bioética. Aparecida: Santuário, 2001.

CASAVOLA, Francesco Paolo. Bioetica. Una rivoluzione postmoderna. Roma: Salerno Editrice, 2013.

CHIAVVACI, E. Breves lições de bioética. Paulinas: São Paulo, 2004.

CONCÍLIO ECUMÊNICO VATICANO II. Constituição Pastoral Gaudium et Spes. São Paulo: Paulus, 2001.

DURAND, Guy. Introdução geral à bioética. História, conceitos e instrumentos. São Paulo: Loyola/São Camilo, 2003.

DUSSEL, Enrique. “Pode-se legitimar ‘uma’ ética diante da ‘pluralidade’ histórica das morais?”. In: Concilium 170 (1981/10) pp. 75-85.

FAGGIONI, M. La vita nelle nostre mani. Manuale di bioetica teologica. Torino: Camilliane, 2004.

FORNET-BETANCOURT, R., “Interculturalidad e inmigración”, in TAMAYO-ACOSTA J.-J., (dir.), 10 palabras clave sobre globalización. Navarra: Verbo Divino, 2002.

FRANKL, Viktor. O sofrimento de uma vida sem sentido. Caminhos para encontrar a razão de viver. São Paulo: É Realizações, 2015.

FREIRE, Paulo. Conscientização. Teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, 1980.

_____________. Educação como prática da liberdade. 5º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

_____________. Pedagogia do oprimido. 2º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

_____________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 46º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GEHLEN Arnold. Morale e ipermorale. Un’etica pluralista. Verona: Ombre Corte, 2001.

GEHLEN, Arnold. Moral e Hipermoral. Uma ética pluralista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. (Biblioteca Tempo Universitário 78).

GUILLEBAUD, Jean-Claude. O princípio de humanidade. Aparecida: Ideias & Letras, 2008.

KICKHOFEL, Eduardo. As neurociências. Questões filosóficas. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

LECLERC, Bruno; Salvatore. As concepções do ser humano. Teorias e Problemáticas. Lisboa: Instituto Piaget/Epistemologia e Sociedade, 2004.

LECOURT, Dominique. Humano pós-humano. A técnica e a vida. São Paulo: Loyola, 2005.

LEONE, S.; PRIVITERA, S. “Bioética”, in: LEONE, S.; PRIVITERA, S.; CUNHA, J.T. Dicionário de bioética. Aparecida: Santuário, 2001.

LYOTARD, Jean-François. Moralidades pós-modernas. Campinas: Papirus, 1996 (Coleção Travessia do Século).

PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C.P. Problemas atuais de bioética. Loyola/São Camilo: São Paulo, 201411.

PESSINA, Adriano. Bioetica. L’uomo sperimentale. Milano: Edizioni Bruno Mondadori, 2000.

MIETH, D. A ditadura dos genes. A biotecnologia entre a viabilidade técnica e a dignidade humana. Vozes: Petrópolis, 2003.

MORIN, Edgar. O Método. 6. Ética. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MOSER, Antônio; SOARES, André Marcel S. Bioética. Do consenso ao bom senso. Petrópolis: Vozes, 2006.

RENNA L. (edd.). Neuroscienze e persona: interrogativi e percorsi etici. Bologna: Dehoniane, 2010.

REICHLIN, M. “Bioetica laica e bioetica cristiana: elementi di un acordo possibile”. In: CredOg 28 (2008) pp. 7-18.

SFEZ, Lucien. A saúde perfeita. Crítica de uma nova utopia. São Paulo: Loyola, 1996.

PALUMBIERI S., È possibile essere uomo? Progetti e messaggi a confronto, Dehoniane, Napoli 1979.

PESSINI L., (org.) Ser e fazer. Teologia moral: do pluralismo à pluralidade, da indiferença à compaixão, Santuário, Aparecida 2012.

PESSINI, Léo; BARCHIFONTAINE, Christian de Paul de. Problemas atuais de bioética. 5° ed. São Paulo: Loyola, 2000.

____________. (org.), Ética e Bioética Clínica no Pluralismo e Diversidade. Teorias, experiências e perspectivas. São Paulo: Centro Universitário São Camilo/Ideias & Letras, 2012.

____________. (org.) Bioética em tempos de incertezas. São Paulo: São Camilo/Loyola, 2010.

VALSECCHI, A. “Consciência”. In: COMPAGNONI, F.; PIANA, G.; PRIVITERA, S. Dicionário de Teologia Moral. São Paulo: Paulus, 1997, pp. 137-151.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. 20º ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

VAZ LIMA, Henrique Cláudio. Escritos de Filosofia II. Ética e Cultura. São Paulo: Loyola, 1988.

VIDAL, Marciano. “Concienciación”. In: VIDAL, Marciano. Diccionario de ética teológica. Navarra: Verbo Divino, 2000.

VON ZUBEN, Newton Aquiles. Bioética e Tecnociências. A saga de Prometeu e a esperança paradoxal. Bauru: Edusc, 2006.

ZUCCARO, Cataldo. Bioetica e valori nel postmoderno. In dialogo con la cultura liberale. Brescia: Queriniana, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Encontros Teológicos

ISSN 2525-846X


Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.